menu horizontal

Je parlerai de ma ville, de mes voyages, de musiques, de films, de l'actualité, de tout ce qui m'interpelle

Quand j'ai créé mon premier blog je m'étais inspirée de la définition du mot "Blog", à l'origine "Weblog" contraction de Web et de Log. Le mot "Log" a désigné au départ les journaux de bord de la marine et de l'aviation américaine, et le "Web", c'est cette invention qui a changé notre quotidien à la fin du 20e siècle ! Le blog littéralement c'est donc un carnet de bord tenu et dévoilé en ligne, un mot construit pour désigner les premiers sites du genre aux Etats-Unis à la fin des années 90.

Mon blog... Un regard très personnel, un journal où je publierai des billets d'humeur à propos des sujets les plus divers.

ARTICLES LES PLUS RÉCENTS

ARTICLES RÉCENTS


Recent Posts Widget

samedi 4 juillet 2009

GERSON SILVA


Gerson Silva est un guitariste brésilien hors pair.

Il est né à Recife au Pernambuco. Il s'est installé à Salvador, où il a commencé à jouer du bandolim. Puis il découvre la guitare.


Il étudie la composition à l'université de Salvador (UFBA - Universidade Federal da Bahia), l'arrangement et l'harmonie avec Ian Guest au CIGAM (Rio de Janeiro) et l'mprovisation et l'armonia avec Alexandre Carvalho (Rio de Janeiro).


Il a joué avec Hermeto Pascoal, Toninho Horta, Torquato Mariano, Nico Assumpção e Pedro Aznar.


Dans le milieu de la musique de Salvador, il a accompagné  Jorge Zarath, Margareth Menezes, Jussara Silveira, Vânia Bastos, Dominguinhos, Grupo Garagem, Arthur Maia, Marcelo Martins, Carlinhos Brown, Daniela Mercury, Ivete Sangalo, Ana Carolina, Lenine e o grupo Dendê Diet etc

Il a reçu le Prix du meilleur instrumentiste dans la catégorie "Disques"du Troféu Caymmi.


Il est aujourd'hui à la fois  instrumentiste, compositeur, arrangeur et produteur musical sur de nombreux disques d'artistes nacionaux et internacionaux. Lenine, Alexandre Pires, Margareth Menezes, Fafá de Belém, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Timbalada, Gipsy Lande (ex-Gipsy King), Loalva (ex-chanteuse do grupo Kaoma), Daniela Mercury, Irmãos Almeida (Angola), et Jassa Mariano sont quelques uns des artistes avec lesquels il a enregistré.


Dans le Cd de Carlinhos Brown – Bahia do Mundo Mito e Verdade – Gerson Silva a assumé la direction des arrangements  et l'a co-produit.

Il a également participé à l'excellent “Paradeiro”, l'album d'Arnaldo Antunes.

Il s'est associé avec l'Université de Salvador afin de créer un atelier de Musique populaire,et a donné des cours d'harmonie et d'improvisation en1998/1999.

A la demande d'écoles de musique et d'universités, il donne des workshops dans diverses villes du Brésil et à l'étranger.

Il enseigne l'harmonie et l'improvisation ainsi que les caracteristiques stylistiques de la guitare brésilienne.

Il est l'un des directeur pédagogiques de l'AMBAH(Academia de Música da Bahia). Projet criéé en 2003 avec le saxofoniste Letieres Leite, qui vise à une meilleure information didactique des musiciens professionnels ou amateurs à Salvador.


Il a accumulé à l'étranger une forte expérience, et a participé à de nombreux festivals importants de musique où  se produisaient Pat Metheny, Joe Zawinul, David Samborn, Célia Cruz, Ruben Blades e Khaled etc

Actuellemente il est l'un des musiciens permanents de l'orchestre de Daniela Mercury, où il joue la guitare et la guitare électrique.




Il accompagne régulièrement Carlinhos Brown. 

    

2011 - Tournée Carlinhos Brown en Europe

Nice - Place Massena

VIDÉOS

Enregistrements en studio

Geisan Varne et Gerson Silva en studio


Geisan Varne, Gerson Silva et Juninho Maceio


L'ÉCOUTER : SUR MYSPACE / http://www.myspace.com/gersonsilva

UMA ENTREVISTA EM PORTUGUES

"Bebendo na fonte da Musica Brasileira"
Por Demma K.

Gerson Silva é um dos guitarristas que mais atuam no nordeste do Brasil e dos que mais acumula experiência e conhecimento.
Quando se fala de ritmos brasileiros, em especial do Nordeste ele é um grande expert e conhece a fundo como poucos.
Ele é o atual sideman da cantora Daniela Mercury, com ela tem tocado pelos 4 cantos do mundo dividindo palcos com Pat Metheny, Joe Zawinul, David Samborn, Célia Cruz, Ruben Blades e Kaled, entre outros conceituados nomes da música mundial.
Além disso, atua não só como instrumentista, mas como compositor, arranjador e produtor musical em muitos discos de artistas nacionais e internacionais tais como Lenine, Fafá de Belém, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Timbalada, Irmãos Almeida (Angola), e Jassa Mariano (Berlin) entre outros.
Gerson também dirige a AMBAH, uma escola de Salvador cujo enfoque esta em valorizar e ensinar o que há de melhor da nossa música.
Endorsee das cordas Elixir® Strings, ele nos conta nesta simpática entrevista sobre seu início com música, das dificuldades que enfrentou no início e estimula muito a conhecer a musica do Brasil.



1. Você nasceu em Recife, mas decidiu mudar se para Salvador, qual foi a razão de sua mudança?
Na verdade em Recife eu ainda não tocava e só comecei a me interessar pela música quando cheguei em Salvador. Tinha um primo meu que tinha um violão com uma corda e comecei a tocar umas melodias de ouvido com esse instrumento.

2. Já em Salvador o seu primeiro instrumento foi o bandolim como foi seu contato inicial com música?

Sim, o meu primeiro instrumento quando já me interessava por música foi o bandolim porque um amigo tocava esse instrumento e eu achava mágico, principalmente quando ele tocava as coisas do Armandinho. Mas não podia comprar um por isso, o violão do meu primo e de outros amigos me ajudaram a entrar na música mais seriamente. Comecei a estudar violão sozinho e passava horas reproduzindo os acordes que alguém me passava ou que ouvia.



3. Depois veio o violão e a guitarra, quem te influenciou a mudar de instrumento?

Eu quis tocar violão porque era o que eu tinha mais perto de mim. Só depois eu pude perceber a riqueza desse instrumento. Ficava horas tocando (muitas mesmo) às vezes via o dia amanhecer e eu tocando. Quando conheci a guitarra foi bem diferente porque era um instrumento parecido, mas com a parte técnica totalmente diferente. Como gosto de desafios comecei a querer tocar. Minhas influências naquela época eram Djavan, João Pernambuco, João Bosco, MoraesMoreira, Gilberto Gil, Caetano, Armandinho. Depois ouvi uma música do Pat Matheny e fiquei louco. O detalhe é que ouvi só a parte doimproviso, mas não sabia nem quem era aquele cara e nem o nome da música. Anos depois eu descobri que a música era James e que o guitarrista era o Pat Metheny. Ai, virei fã dele até hoje. Mas ouvia também Pepeu Gomes e muitos outros que tocavam guitarra baiana O Robertinho do Recife me deixava maluco também, eu queria tocar com o som dele rsrsrs....



4. Além disso, você tem sólidos estudos em cursos tais como Composição e Regência na UFBA (Universidade Federal da Bahia), Arranjo e Harmonia Funcional com Ian Guest no CIGAM (Rio de Janeiro) e Improvisação e Harmonia com Alexandre Carvalho (Rio de Janeiro), qual a síntese que chegou com tudo isso? 


Olha, na minha época era muito difícil ter acesso a material didático e eu estava chegando num mundo em que era sozinho e não conhecia ninguém nem era parente de ninguém rsrsrsrs.... 
Quando passei na UFBA (Universidade Federal da Bahia), no curso de Composição e Regência, nem acreditei porque até então eu estudava sozinho. Mas quando estava fazendo o curso, que me ajudou muito, percebi que a proposta era diferente da minha. Por ouvir muita música complicada harmonicamente achava que teria respostas para minhas dúvidas lá e não foi nada disso. O que eu estava procurando era a Harmonia Funcional e por isso fui estudar com o Ian Guest no Rio. Nessa época, anos 90, eu já tinha juntado uma graninha tocando em barzinhos e outras coisas e por isso pude ir. Não tinha aqui em Salvador na época uma escola que tratasse de música popular de forma séria e por isso eu quis sair daqui. Hoje vejo que foi uma das melhores coisas que fiz. A síntese disso é que se você não tem informação perto tem que ir busca-la em outro lugar mas nunca desistir dela.



5. Quais as coisas mais importantes aprendeu em cada curso?

Aprendi, a saber, realmente tudo que estou fazendo quando toco o instrumento e também a entender o pensamento de outros músicos em suas composições e improvisos.



6. E sobre os worshops com Hermeto Pascoal, Toninho Horta, Torquato Mariano, Nico Assumpção e Pedro Aznar?

Foram experiências únicas. Os caras tocam muito e conhecem muito também. Anos depois pude trazer o Toninho Horta para Salvador e realizar uma oficina de 4 dias, assim me tornei mais intimo dele. Mostrei umas composições minhas e ele adorou. Percebi que estava no caminho certo.



7. Atualmente você dirige a AMBAH em Salvador e que é a melhor escola da cidade, na sua opinião qual é a receita ideal de uma didática moderna? 

A AMBAHé literalmente a escola que não tive na minha época e por isso me dedico muito a esse projeto. Tenho tentado parceria com muita gente, mas no momento tenho uma boa relação com o Souza Lima. O EM&T ainda não tenho contato. Acho que a didática correta é dar aos alunos informações gerais de elementos para harmonia, improvisação, leitura, técnica, tecnologia, repertório (principalmente brasileiro), e dar a eles condições pra que achem seus próprios caminhos. Gosto que os alunos percebam sobre tudo a riqueza da música brasileira em geral.



8. Quais os pontos mais importantes para um aluno ter êxito na carreira artística? 

Acho relativo isso. Começa com saber a diferença entre fama e sucesso. Fama seriam aquelas coisas de todo mundo ficar lhe pedindo autógrafo, fotos, lhe cercando e sucesso é você ser respeitado pelo que faz e conseguir sobreviver do que tem feito no meio profissional. Para isso precisa se dedicar muito a todos os fundamentos que a música pede e tratar sempre com muita responsabilidade o fato de ter escolhido a música como profissão.



9. E sobre suas pesquisas com ritmos nordestinos?
Como reúne esse material? 
Eu tenho o privilégio de estar morando numa região riquíssima e com uma infinidade de estilos a serem aprendidos, só falta agora passar isso de forma fiel pra todos e dessa forma fortalecemos nossas raízes brasileiras. Chega de só dar valor a quem está fora, temos as melhor música do mundo perto de nós. Precisamos aprendê-la melhor para passar de forma certa pra outros.



10. Você já acompanhou muitos artistas importantes tais como Margareth Menezes, Jussara Silveira, Vânia Bastos, Dominguinhos, Arthur Maia, Carlinhos Brown, Daniela Mercury, entre outros. Qual é o segredo para ser um bom side man? 

Acho que ser responsável com seu trabalho e ser bem informado musicalmente, profissionalmente e versátil.



11. Como produtor e arranjador você participou docd“Paradeiro”, último álbum do artista Arnaldo Antunes, fale um pouco de trabalhar com ele? 

O Arnaldo é muito legal e sabe o que quer, mas só um dos que eu trabalhei. O cara que mais me deixou a vontade foi o Gilberto Gil. Gravar com ele é aprendizado e sonho para qualquer músico. Também fiz arranjos e gravei com Carlinhos Brown, Lenine, Daniela Mercury, Caetano Veloso, Fafá de Belém, Sandra de Sá e outros. Cada um uma experiência nova.



12.Além disso, já há alguns anos tem trabalhado com Daniela Mercury, conte nos os melhores momentos tocando com ela?

Já gravava com ela antes de entrar na banda. Eu sempre respeitei muito o trabalho dela. Com a Daniela pude conhecer muitos países e muitos músicos e produtores em todo o mundo. Dirigir o projeto que Clássica, em que ela canta sucessos da MPB num formato Jazz foi uma das melhores coisas que fiz. Mas tem tanta coisa...

13. E sobre ter recebido o prêmio de melhor instrumentista na categoria Disco, no Troféu Caymmi? 

Eu gravava muito e em todos os discos eu me destacava por isso o pessoal me deu esse prêmio. Gravava em média 20 discos por ano, nos bons tempos de mercado,claro! Rsrsrs... Esse prêmio é uma espécie de Grammy aqui em Salvador.



14. Há quanto tempo tem utilizado as cordas Elixir® Strings?
Desde 2003.

15.E sobre a durabilidade, já que mora numa cidade em que a maresia é forte e ainda você viaja muito? 
Fiquei impressionado quando fiz minha primeira tour usando as cordas Elixir® Strings eu falo de mais ou menos 3 meses. Bem depois as cordas estavam com som de nova.



16. Deixe algumas dicas aos guitarnautas do site Elixir® Strings América Latina?

A dica que posso deixar é que os músicos brasileiros não precisam tocar e nem quererem ser como americanos. Estudem suas próprias raízes e verão quanta musicalidade estão perdendo. Tenho realizado estudos de Chulas e jexás que são muito mais ricos do que Standards de Jazz. Se quiserem saber mais sobre isso o caminho é ir para Salvador e visitar a AMBAH-
Extrait de : www.ambah.com.br

Aucun commentaire:

Enregistrer un commentaire

Laissez-moi un message, un commentaire, car c'est la meilleure façon pour moi de communiquer et d'échanger avec vous. Voici la marche à suivre :

- 1) Ecrivez votre texte dans le rectangle de saisie ci-dessous.
- 2) Si vous avez un compte Google, vous pouvez vous identifier dans la liste déroulante en étant loggué sur votre compte.

Sinon, choisissez "Anonyme"
MAIS PENSEZ A SIGNER VOTRE MESSAGE POUR QUE JE SACHE QUI M'ÉCRIT.

- 3) Cliquez sur Publier.

ET JE VOUS EN REMERCIE.